Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Art and Humanities promote creative initiatives

14 de Dezembro de 2010

(Texto em Português depois deste)

From ideas to challenges

Yesterday during a trip I took to Lisbon I had an interesting conversation with a friend about creativity and about the need to promote the initiative for the proposition of ideas by employees of an organization.

The concern was to make these employees, naturally, more active and engaged in the generation of ideas within the organization.

At some point I asked:

-Why don’t you promote a group of collaborators more enthusiastic about creativity and try that they define and create a climate or environment desirable of creativity?

It was understandable that the answer (objection) was the lack of availability of time on the part of developers for that.

This lack of availability only exists if we don’t have a management attention and if we don’t define priorities and this is achieved with passion for the mission.

This passion comes often by a process of contact and contagion with “stuff”, with the art and the humanities. An organization can provide without major costs that contact and can choose between its elements facilitators of contagion, that is those more enthusiastic and that propagate the passion for creativity and innovation.

 “Imagination, originality, and risk taking should not be byproducts of a university education. They should be its core.” – Jonathan Berger and Wolf Bryan

A few years ago Stanford University issued a challenge that is a good example for any organization, not only because organizations are institutions where you learn but also where they can teach. Let’s see the assumption:

Education in the arts and humanities is the foundation of a liberal arts education and serves three important roles. First, it prepares graduates to deal with the complexity, diversity, and ambiguity of human societies. Second, it draws out and develops personal creativity. Third, the arts bridge all cultures, providing access to the experience of people in other times and places. In the contemporary world in which Stanford graduates will lead and inspire, understanding complexity, finding creative solutions to problems, and navigating the richness of human culture are essential capabilities.”

What organizations need to learn is to live in harmony with the arts and the humanities to be able to embrace complexity, diversity and ambiguity as challenges able to generate emotions and joys.

When living with art is not just a sporadic visit to a Museum and becomes an integral part of the professional development the understanding of different cultural values becomes a reality.

 

An environment of contact with the art promotes creativity staff within an organization and must be well managed by a visionary leader.

A arte e as humanidades promovem iniciativas criativas

 

Das ideias aos desafios

Ontem durante uma viagem que fiz a Lisboa tive uma conversa interessante com um amigo sobre a criatividade e sobre a necessidade de promover a iniciativa para a proposição de ideias por parte dos colaboradores de uma organização.

A preocupação era fazer com que esses colaboradores naturalmente fossem mais activos e empenhados na geração de ideias dentro da organização.

A determinada altura perguntei:

– Porque é que vocês não promovem um grupo de colaboradores mais entusiasmados com criatividade e procuram que eles definam e criam um clima ou ambiente de criatividade desejável?

Era compreensível que a resposta (objecção) fosse a falta de disponibilidade de tempo por parte dos colaboradores para que isso acontecesse.

Essa falta de disponibilidade só existe se não se fizer uma gestão da atenção e se não se definirem prioridades e isto consegue-se com paixão pela missão.

Essa paixão chega muitas vezes por um processo de contacto e contágio com “coisas”, com a arte e com as humanidades. Uma organização pode fornecer sem grandes custos esse contacto e pode escolher entre os seus elementos os facilitadores de contágio, isto é aqueles mais entusiasmados e que propagam a paixão pela criatividade e inovação.

“A imaginação, a originalidade e a assunção de riscos não deve ser derivados de uma educação universitária. Devem ser o seu núcleo.” – Jonathan Berger e Wolf Bryan 

Há poucos anos Stanford University lançou um desafio que é um bom exemplo para qualquer organização, não só porque as organizações são instituições onde se aprende mas também onde se pode ensinar. Vejamos o pressuposto:

A Educação em artes e humanidades é o alicerce de uma educação em artes liberais e tem três papéis importantes. Primeiro, ele prepara os formandos para lidar com a complexidade, diversidade e ambiguidade das sociedades humanas. Em segundo lugar, destaca-se e desenvolve a criatividade pessoal. Em terceiro lugar, as artes ponte todas as culturas, proporcionando o acesso à experiência das pessoas em outros tempos e lugares. No mundo contemporâneo, em que graduados de Stanford vai liderar e inspirar, a compreensão da complexidade, encontrar soluções criativas para os problemas, e navegar a riqueza da cultura humana são capacidades essenciais.

O que as organizações devem aprender é a viver em harmonia com as artes e com as humanidades para serem capazes de abraçar a complexidade, diversidade e ambiguidade como desafios capazes de gerar emoções e alegrias.

Quando a convivência com a arte não se resume a uma visita esporádica a um museu e passa a ser parte integrante do desenvolvimento profissional a compreensão dos diferentes valores culturais passa a ser uma realidade.

Um ambiente de contacto com a arte promove a criatividade pessoal dentro de uma organização e deve ser bem gerido por um líder visionário.

Passion for simplicity and creativity

7 de Novembro de 2010

(Texto em Português depois deste)

This post was originally published at Bodies in Space – Creative Passion Has No Age: A Manifest for Mobility Design by José Baldaia

Passion has no age!

Do things we like it’s not an attitude that corresponds to a particular age group and creativity appears and reappears in all of us.

Create and develop ideas requires passion. It’s no secret that when we do something we love, the result is better and soon our satisfaction increases.

Someone said that “the future is today” and the future of older generations requires minor changes in the workplace or leisure that can change the behavior, encourage interaction, make people share more things and avoid people being isolated.

The wealth of knowledge accumulated over a lifetime of work can not be forgotten and should be tailored to the needs of new generations.

The ability to use old knowledge and translate them into something new with value is inherent to the needs felt by the people and deserves a different way of thinking.

The elderly and those who are walking to be a special target for which our open-minded should drive and for this:

Empathy should be considered a sovereign attitude!

We need observe experiences to understand and develop adaptability.

It is necessary to transfer knowledge using new technologies as facilitators.

It is necessary to understand the culture as an essential frame the meaning of things. Culture is part of a social context.

We need to understand innovation as well as behavior change:

– That will lead to the participation of people targeted in the “prediction “of future (desired future)!

– That does from smile a day -to-day language!

– That will lead to participation in the prototyping of products and services they are intended.

We have seen major technological revolutions aimed at the working population, but the fringes of the elderly populations are growing and have not seen their needs met.

The elderly now represent the result of much research and innovation in the health and welfare and therefore, rests on the continuity of an innovation project. Revolutionize the revolution and create conditions of security and welfare for the elderly. Promote revitalization of older generations.

This “manifesto” clearly leads to reflection on the direction or inclusion in the directions of innovation, a layer of the population with the new requirements. Let us focus on them.

Our focus should be on the philosophy of simplicity, utility and entertainment.

We need to maintain emotional stability of the “new consumer”, who have an advanced age and therefore do not exhibit characteristics similar to motor and mental labor force.

The basis for this work must be innovate by adapting, while simplifying and clarifying the use.

This approach allows not only a significant cost reduction in products or services as it does not alter social behaviors that allow harmony in settlements.

This is also a socially responsible stance.

Technological innovation associated with innovation processes and procedures may apply to elderly populations and not working to reconcile the desirable with younger generations.

The article transcribed below (British Medical Journal) , is about 10 years old. It’s good to remember!

“Developments in technology will also be important. Assistive technology is the umbrella term for any purpose designed device or system that allows people to perform a task they would otherwise be unable to do. Devices of this kind are important as aids to mobility and other daily activities, allowing older people to stay longer in their own homes. It is increasingly possible to extend control of the home environment beyond the familiar television remote control to adjusting heating, opening curtains, switching on power points, opening and locking doors, as well as providing acceptable external monitoring. Adapting the standard paging device to prompt those with failing memory is another attractive possibility, an example of the way in which advances in microelectronics and miniaturisation for consumer goods generally should yield benefits for assistive technology. But markets for assistive technologies tend to be small and fragmented, leading to high prices and underdeveloped design.

The biggest impact of technology on age associated disability may come instead from inclusive design, an approach which aims to extend usability through thoughtful design based on a comprehensive understanding of the capabilities of the whole population including older people

For housing, the inclusive design approach points to “lifetime homes,” designed at the outset to be capable of adaptation to meet future needs for instance, having space for wheelchair use, the absence of ground floor steps, an accessible downstairs lavatory, and room for a future stair lift.” 

The guidance was given. Missing what? Will? They are calling for design thinking!

 

A paixão pela criatividade não tem idade!

Fazer as coisas de que gostamos, não é uma atitude que corresponda a um escalão etário e a criatividade surge e ressurge em todos nós.

Criar e desenvolver as ideias requer paixão. Não é nenhum segredo que se nós fizermos algo que amamos, o resultado é melhor e logo a nossa satisfação aumenta.

Alguém disse que “o futuro é já hoje” e o futuro das gerações mais velhas requer pequenas mudanças no ambiente de trabalho ou de lazer que podem mudar o comportamento, incentivar as interacções, fazer com que as pessoas compartilhem mais coisas, e evitem que as pessoas sejam isoladas.

A riqueza de um conhecimento acumulado ao longo de uma vida de trabalho não pode ser esquecida e deve ser adaptada às novas necessidades das várias gerações.

A capacidade de usar os velhos conhecimentos e traduzi-los em algo de novo com valor é inerente às necessidades sentidas pelas pessoas e merece uma forma de pensar diferente.

As pessoas idosas e as que para lá caminham são um alvo especial para o qual a nossa abertura de espírito se deve dirigir e para isso:

A empatia deve ser considerada uma atitude soberana!

Precisamos de observar experiências para compreender e desenvolver adaptabilidade.

É necessário transferir conhecimento utilizando as novas tecnologias como facilitadoras.

É necessário entender a cultura como uma moldura essencial no significado das coisas. A cultura é parte integrante de um contexto social.

Devemos entender inovação também como mudança de comportamentos:

– Que conduzam à participação das pessoas alvo na “previsão” do futuro (futuro desejável)!

– Que façam do sorriso uma linguagem do dia-a-dia!

– Que levem à participação na prototipagem dos produtos e serviços que lhes são destinados.

Temos assistido a grandes revoluções tecnológicas dirigidas à população activa, mas as franjas das populações idosas são cada vez maiores e não têm visto as suas necessidades satisfeitas.

Os idosos representam hoje o resultado de muita investigação e inovação na área da saúde e bem-estar e por isso, recai sobre a inovação a continuidade de um projecto. Revolucionar a revolução e criar condições de bem-estar e segurança para os idosos. Promover a revitalização das gerações com mais idade.

Este manifesto leva à reflexão sobre a direcção ou inclusão nas direcções da inovação, de uma camada da população que apresenta novas necessidades. Centremo-nos neles.

O nosso foco deverá agora incidir na filosofia da simplicidade, usabilidade, utilidade e entretenimento.

Há que manter a estabilidade emocional dos “novos consumidores”, que têm uma idade avançada e, portanto, não apresentam características motoras e mentais semelhantes à população activa.

Para isso a base de trabalho deve ser inovar adaptando, simplificando e clarificando o uso.

Esta atitude permite não só uma significativa redução de custos nos produtos ou serviços como, não altera comportamentos desejáveis que permitem harmonia nos aglomerados populacionais.

Esta é também uma atitude socialmente responsável.

Inovação tecnológica associada a inovação de processos e procedimentos pode permitir às populações idosas e não activas a conciliação desejável com as gerações mais novas.

O artigo abaixo transcrito (British Medical Journal), tem cerca de 10 anos de existência. É bom relembrar!

Developments in technology will also be important. Assistive technology is the umbrella term for any purpose designed device or system that allows people to perform a task they would otherwise be unable to do. Devices of this kind are important as aids to mobility and other daily activities, allowing older people to stay longer in their own homes. It is increasingly possible to extend control of the home environment beyond the familiar television remote control to adjusting heating, opening curtains, switching on power points, opening and locking doors, as well as providing acceptable external monitoring. Adapting the standard paging device to prompt those with failing memory is another attractive possibility, an example of the way in which advances in microelectronics and miniaturisation for consumer goods generally should yield benefits for assistive technology. But markets for assistive technologies tend to be small and fragmented, leading to high prices and underdeveloped design.9

The biggest impact of technology on age associated disability may come instead from inclusive design, an approach which aims to extend usability through thoughtful design based on a comprehensive understanding of the capabilities of the whole population including older people

For housing, the inclusive design approach points to “lifetime homes,” designed at the outset to be capable of adaptation to meet future needs for instance, having space for wheelchair use, the absence of ground floor steps, an accessible downstairs lavatory, and room for a future stair lift.

A orientação estava dada. Falta o quê? Vontade? Estão a chamar por pensar design!

Observation – Become a fan

4 de Junho de 2010

(texto em Português depois deste)

Observation – Think about it

It is not uncommon to wonder if that has with very different paths, which many thinkers have taken to reach the same conclusions.

This is true of Chinese thinkers who through meditation and thought, five thousand years ago, reached the same picture of the universe that Capra and his group of brilliant young physicists built using the disciplines of modern physics.

We have been educated to recognize the authority of knowledge in those who by their name or with your writing and models were considered wise. This helped build within us a peculiar respect that prevented a certain boldness on our part to build knowledge through other channels.

We underestimated our ability to make important discoveries, including the discovery of ourselves.

When we grow we become amazed at the changes that have not been taught what something very beautiful is.

However, distracted by the amazing and surprising caused by some of the others we forget to be children, losing much of our curiosity.

The discovery of ourselves, it is looking into us, and observing the behavior of our surroundings. Thus we learn what we expect of ourselves, we compare our attitudes and behaviors with those of other members of our ecosystem and we see what kind of relations or connections established.

In other words we practice observation.

But ultimately, what is the importance of our own observations?

We are not recognized authorities in the field of “observation” as a discipline of knowledge. We do not read enough or write the textbooks of others choice.

What can we learn from important?

We know that nobody else can know, because we use our senses as a collector of information and our brains as converter meaning. It is a knowledge of its own that often, for being different, is presented as something new.

The usual way as we view the events has to do with our knowledge and our beliefs.

By observing, we use one or more of your senses: sight, hearing, smell, taste and touch, to gather evidence or data.

In a conscious manner, we want the observations we make are accurate and objective and avoid contamination by the opinions and prejudices that are based on certain views or experiences.

The remark when used with the aim of knowing the true needs of others to create solutions that meet their needs requires an empathic attitude constant.

“Watch Closely
Focus groups have their place, but in design thinking, observation means ethnography: Noting how consumers behave in their natural retail habitats the way Margaret Mead once analyzed the tribes of Samoa. The use of ethnography as a primary tool in product development has gained widespread favor during the past decade. Ask Becky Walter, who serves as Kimberly-Clark’s director of innovation, design and testing. Fifteen years ago, Walter said, K-C might have employed observational research but once or twice a year. No longer. “One thing that’s certainly changed is the prevalence of the use of ethnography,” she said. Today, “it’s more integrated into the product-development phase. To do great design, you have to figure out how people interact with the product. This is almost mandatory now.”

Fortunately, technology has served as ethnography’s great facilitator, not only for those taking notes, but for the subjects themselves, who can more freely record and transmit information about how they conduct, organize and prioritize their daily lives. Cameraphones and Web 2.0 make it nearly effortless for consumers to capture their lives in granular—often, bordering on tedious—detail, while social networking sites like Facebook have furnished a platform to share those details with strangers.” –  Brandweek.

 

A maravilha da observação

Não é rara a admiração que se tem com os caminhos muito diferentes, que muitos pensadores tomaram, para chegar às mesmas conclusões.

É o caso de pensadores chineses que através da meditação e do pensamento, há cinco mil anos, chegaram ao mesmo quadro do universo que Capra e o seu grupo de brilhantes jovens físicos construíram utilizando as disciplinas de Física moderna.

Nós fomos educados a reconhecer a autoridade do conhecimento naqueles que pelo seu nome ou com a sua escrita eram considerados modelos e sábios. Isso ajudou a construir dentro de nós um respeito muito próprio que impedia uma certa ousadia da nossa parte, para construir conhecimento por outras vias.

Subestimamos a nossa capacidade de fazer descobertas importantes, incluindo, a descoberta de nós próprios.

Quando crescemos vamos ficando surpreendidos com transformações que não nos foram ensinadas, o que tem algo de belo.

No entanto, distraídos com o impressionante e surpreendente provocado por alguns dos outros esquecemo-nos de ser crianças, perdendo muito da nossa curiosidade.

A descoberta de nós próprios, faz-se olhando para dentro de nós, e observando o comportamento do nosso meio envolvente. Desta forma ficamos a saber o que esperamos de nós, comparamos as nossas atitudes e comportamentos com os dos restantes membros do nosso ecossistema e verificamos que tipo de relações ou conexões estabelecemos.

No fundo praticamos a observação.

Mas afinal, qual é a importância das nossas próprias observações?

Nós não somos autoridades reconhecidas no campo da “observação” como disciplina do conhecimento. Nós não lemos o suficiente nem escrevemos os livros didácticos de eleição.

O que é que poderemos saber de importante?

Sabemos o que mais ninguém consegue saber, porque utilizamos os nossos sentidos como colectores de informação e o nosso cérebro como conversor de significado. É um conhecimento muito próprio que muitas vezes, por ser diferente, é apresentado como algo de novo.

A maneira habitual como, encaramos os acontecimentos, tem a ver com o nosso conhecimento e nossas crenças.

Ao observar, utilizamos um ou mais dos seus sentidos: visão, audição, olfacto, paladar e tacto, para recolher provas ou dados.

De uma forma consciente, queremos que as observações que fazemos sejam precisas e objectivas e evitem a contaminação por opiniões e preconceitos que se baseiam em determinados pontos de vista ou experiências vividas.

A observação quando utilizada com o objectivo de conhecer a verdadeira necessidade dos outros de forma a criar soluções que satisfaçam as suas necessidades requer uma atitude empática constante.

Assista de perto
Os grupos focais têm o seu lugar, mas pensando em design, através de observação etnográfica: Observando o comportamento dos consumidores nos seus habitats de retalho naturais varejo da mesma maneira que Margaret Mead, uma vez analisou as tribos de Samoa. A utilização da etnografia como ferramenta principal no desenvolvimento de produtos ganhou difusão durante a década passada. Pergunte a Becky Walter, que actua como director da Kimberly-Clark, de inovação, design e testes. Quinze anos atrás, disse Walter, KC poderia ter empregado pesquisa por observação, mas uma vez ou duas vezes por ano. Não mais. “Uma coisa que certamente mudou é a prevalência do uso da etnografia”, disse ela. Hoje, “é mais integrado na fase de desenvolvimento do produto. Para fazer um excelente design, você tem que descobrir como as pessoas interagem com o produto. Isto é quase obrigatório agora”.

Felizmente, a tecnologia tem servido como grande facilitador da etnografia, não só para aqueles tomando notas, mas para os próprios sujeitos, que podem mais livremente gravar e transmitir informações sobre como conduzir, organizar e dar prioridade às suas vidas diárias. Cameraphones e Web 2.0 torna o esforço quase inexistente para os consumidores ao capturar suas vidas em pormenor, muitas vezes, na fronteira com detalhe, tedioso, enquanto sites de redes sociais como Facebook forneceram uma plataforma para compartilhar essas informações com estranhos – brandweek.

Knowledge, music and fun

1 de Junho de 2010

 

From Ackoff  to Zappa

 

How often I think of the exercise of representation that we performed daily to talk to people, different people, but why force us to play different roles.

No matter what time of day or our physical posture because if we are talking with people we do not like and they do not watch us, our role is crazy.

And what a fool has to do with knowledge?

If we are talking to people we like but they do not pay attention, they are giving us “Back“. This happens because we’re bored and we are not aware of it.

For these cases we advise you a little reflection. After all did we like people who are not assertive?

If we are talking to people we do not like but we are being paid then, is work. Work should not be a sacrifice, so we must be careful with our first impression about people.

A first impression is not knowledge!

If we are talking to people we like and we are being paid, then yes, it is fun.  

An expected result when we transfer useful information and we keep an atmosphere of welcome.

These assumptions may be useful when we want to attain the wisdom that Russell Ackoff second part of the categories of the human mind:

Data – Symbols without meaning beyond its existence. The data can be a pest without treatment possible when not worked properly.

Information – Data that is processed to be useful and whose meaning is the result of a relational connection. There are many connections that cannot generate information but are great as a springboard for creativity.

Knowledge – Collect appropriate information which is intended to be helpful. Don’t stay by the intention and share this utility.

Understanding – the process which allows me to synthesize new knowledge from knowledge held previously. It is an important moment in the way of wisdom, especially if you join the color of the emotions.

Wisdom – Appeals to moral, ethical code. Asks questions to which it’s not easy answer. It is the process whereby we discern good from evil. Every nation with its use!

Frank Zappa in 1979 had a hierarchy a little different but no less wise:

Information is not knowledge,

Knowledge is not wisdom,

Wisdom is not truth,

Beauty is not love,

Love is not music,

And music is the best there is.

This passage from Ackoff for Zappa is useful to understand the context, in which the wisdom settles, shapes our wisdom and if we are wise today on an island tomorrow in a continent we are crazy.

When facing a new situation, for example enjoy a song, we seek an answer to discern right from wrong, good from evil, our mind seeks a precedent without regard to the emotions of past moments.

With the music can travel from one island to another and to dock in any distant peninsula and affect people’s emotions in different ways.

Certain types evoke sadness or anger while other types of induce feelings of well-being or happiness. The music is used in various settings to help set the mood of a room or to enhance an experience.

With the music does not need to play the fool. With the music we talk and have fun.

The power of music continuously affects the emotions of people and motivates them to change or drive.

Do you think music is knowledge?

 

Conhecimento,  música e diversão

De Ackoff para Zappa

Quantas vezes penso no exercício de representação que diariamente realizamos ao falar com pessoas, pessoas diferentes, mas que por isso nos obrigam a desempenhar papéis diferentes.

Não importa a hora do dia ou a nossa postura física porque se estamos a falar com pessoas de quem não gostamos e elas não nos prestam atenção, o nosso papel é de loucos.

E o que é que um louco tem a ver com conhecimento?

Se estamos a falar com pessoas de quem gostamos mas elas não nos dão atenção, elas estão a dar-nos “para trás”. Isto acontece porque somos aborrecidos e não temos consciência disso.

Para estes casos aconselha-se um pouco de reflexão. Afinal nós gostamos de pessoas que não são assertivas?

Se estamos a falar com pessoas de quem não gostamos mas estamos a ser pagos então, é trabalho. O trabalho não deve ser um sacrifício, por isso temos de ter cuidado com a nossa primeira impressão.

Uma primeira impressão não é conhecimento!

Se estamos a falar com pessoas de quem gostamos e estamos a ser pagos, aí sim, é diversão.  

Um resultado esperado quando a informação que transferimos é útil e mantém um clima de acolhimento.

Estes pressupostos poderão ser úteis quando pretendemos atingir a sabedoria que segundo Russel Ackoff faz parte das categorias da mente humana:  

Dados – Símbolos sem significado para além da sua existência. Os dados podem ser uma praga sem tratamento possível quando não trabalhados correctamente.

Informação – Dados que são processados para serem úteis e cujo significado resulta de uma conexão relacional. Há muitas conexões que podem não gerar informação mas são óptimas como alavanca para a criatividade.

Conhecimento – Recolha adequada de informação cuja intenção é ser útil. Não fiquemos pela intenção e partilhemos essa utilidade.

Compreensão – Processo que me permite sintetizar novos conhecimentos a partir do conhecimento que detinha anteriormente. É um momento importante a caminho da sabedoria, principalmente se lhe juntarmos a cor das emoções.

Sabedoria – Apela à moral, código ético. Faz perguntas para o que não tem resposta fácil. É o processo pelo qual nós discernimos o bem do mal. Cada povo com seu uso!

Frank Zappa, em 1979, apresentava uma hierarquia um pouco diferente mas nem por isso menos sábia:

Informação não é conhecimento,

Conhecimento não é sabedoria,

Sabedoria não é a verdade,

Beleza não é o amor,

Amor não é música,

E música é o melhor que há.

Esta passagem de Ackoff para Zappa é útil para entendermos que o contexto onde a sabedoria se instala, molda a nossa sabedoria e se hoje somos sábios numa ilha amanhã somos loucos num continente.

Quando enfrentamos uma situação nova, por exemplo apreciar uma música, procuramos uma resposta para discernir o bem do mal, o bom do mau, a nossa mente procura um precedente sem levar em conta as emoções de momentos passados.

Com a música podemos viajar de uma ilha para outra e aportar numa qualquer península distante e afectar as emoções das pessoas de maneiras diferentes.

Certos tipos evocam tristeza ou raiva, enquanto outros tipos de induzem sentimentos de bem-estar ou felicidade. A música é utilizada em várias definições para ajudar a definir o humor de um ambiente ou para melhorar uma experiência.

Com a música não precisamos de fazer papel de louco. Com a música nós conversamos e divertirmo-nos.

O poder da música afecta de forma continua as emoções das pessoas e motiva-as para a mudança ou para a unidade.

 Acha que a música é conhecimento?

Preciso de interagir!

20 de Fevereiro de 2010

Aprender a interagir!

As reacções, “a quente” que, inúmeras vezes, experimentamos, e tantas vezes criticamos aos nossos interlocutores são fruto de acontecimentos recentes também eles “quentes”.

Todos reconhecemos que, expressões como, “tem calma”, “não respondas já!”, etc., são utilizadas quando nos apercebemos que pode existir precipitação na resposta que é necessário dar, a determinado acontecimento.

Quando arrefece o nosso “temperamento” versus “feitio”, reflectimos. Quantas vezes, consideramos que a prudência foi mão abençoada? Outras há, em que nos arrependemos de não ter agido de imediato!

Algo de semelhante acontece quando, a propósito de uma pequena tomada de decisão, nos deparamos com conflitos de interesse e prolongamos a resposta por várias horas ou a adiamos indefinidamente.

Qualquer que seja a nossa posição na organização onde colaboramos, existem sempre momentos, em que precisamos de tomar decisões. Umas vezes por ausência do líder, outras porque faz parte do conjunto das nossas tarefas.

 

Tomar decisões não é fácil!

È a velha guerra entre o prazer e a realidade, sendo que cada parte procura aliados (justificações) para a vencer.

Se fizermos um pequeno esforço a pensar sobre o porquê desta dança interna de opiniões, chegamos à conclusão que as nossas experiências vividas são em grande parte responsáveis pelo resultado.

É aqui que entra a intuição! 

Não fora a razão e a procura de equilíbrio, naquele tão maravilhoso mundo de valores e cultura, e apenas tomaríamos decisões baseadas nas experiências gratificantes que vivemos.

A necessidade de atenção e percepção face às ameaças que surgem nas organizações, obriga frequentemente à dispensa de longas bases de dados para a realização de análises.

Por outro lado as experiências negativas que eventualmente suportamos, criaram mecanismos de auto-defesa que, com mais ou menos rapidez, são despoletados. Embora a aprendizagem não seja muito eficaz com os erros, sempre existe uma oportunidade para reflectir sobre o insucesso.

E assim se vai construindo um mundo novo dentro de nós.

Havia um senhor, isto a propósito de boas e más experiências, que quando eu me questionava sobre o dar algo a alguém, me dizia: “Não lhe dês o peixe, ensina-o a pescar”. Penso que se trata de um provérbio chinês.

 Esta foi uma boa experiência que vivi e ainda vivo.

 Fez-me organizar as aprendizagens e reflectir sobre o tempo, fez-me viver ao lado dele sem a sua presença, fez-me transformar más experiências em boas soluções.

 Nas organizações, quanto mais cedo se verifica o erro mais rapidamente se parte para o sucesso.

 Eu achei que sabia, naquela altura, quase tudo, mas ainda não tinha apreciado a escala de avaliação da verdade.

 A verdade vai da mentira até si própria. Passando pelo verdadeiramente aparente e pela inverdade (politicamente correcta), ou pelo falso e pelo escondido ou dissimulado.

 Como dizia Anais Nin:

 “Não vemos as coisas como elas são. Vemos as coisas como somos.”

 

Qual é a sua verdade! É capaz de contar?

Terapêutica para a informação

19 de Janeiro de 2010

É a dose que faz o veneno!

“Como um dos empresários mais respeitados do Silicon Valley, Marc Andreessen é um conhecedor do que ele chama de “porn produtividade”, ou técnicas para maximizar a produtividade pessoal.

Mas nos últimos meses, o Sr. Andreessen – um fundador da Netscape Communications e, mais recentemente, Ning, que permite aos usuários criar suas próprias redes sociais – ficou encantado com um fornecedor improvável: Timothy Ferriss, um individuo jovem, pela primeira vez motivado, autor de Long Island, cujo currículo inclui passagens como uma, kickboxer competitivo e campeão do tango.

As lições de negócios do Sr. Ferris, com foco em cortar informações inúteis, foram compiladas, a partir dos seus seis anos, a administrar, uma empresa de nutrição para desportos, modesta, que vende, principalmente através da Internet, suplementos utilizados por atletas para aumentar a velocidade de reacção e potência muscular. Sr. Andreessen, um astro nos círculos de tecnologia, não parece se importar-se.

Jason Hoffman, um dos fundadores da Joyent, que projecta softwares baseados na Web para pequenas empresas, pediu aos seus funcionários para cortar as mensagens instantâneas e largar as aplicações multi-tarefas. De repente, disse Hoffman, dos resultados, suas noites são livres. De repente a segunda-feira, não se sente tão esmagadora. “. The New York Times Por ALEX WILLIAMS

Este artigo do N Y Times demonstra bem a necessidade de uma boa gestão de informação, para garantir estabilidade e alguma qualidade de vida.

Parar para pensar ou sair fora da caixa para ver a maré vazar. É a observação constante, conhecimento empírico ou aprendizagem informal, que permite aos pescadores, saber quando podem pescar.

É o excesso de informação que mata a curiosidade e a falta de discernimento.

A ocupação abusiva do tempo não permite cuidar da saúde física e mental. A nossa e a dos outros.

Elogio às gémeas e não só!

1 de Novembro de 2009

À capeão (da asneira)Pouco depois do almoço embarquei no Alfa Pendular na estação de caminho de ferro de Braga.

A viagem prometia ser aborrecida pois directo ( sem sair do combio) a Lisboa não é a mesma coisa que ver um filme em casa. Em casa posso fumar na varanda e na minha casa de banho (tem  janela para o exterior e só eu a utilizo).

Mas dizia eu de Braga a Lisboa é um tirinho e eu ia participar como Um tirinho e sentado!“Rapporteur” numa conferência internacional sobre criatividade , aprendizagem e inovação.

E lá fui e lá cheguei!

Cheguei cedo porque queria e o comboio não se atrasou! Fui visitar, fui ver as minhas queridas sobrihnas gémeas que havia poucos dias tinham feito brilhar os olhos a meio mundo.

Dos pais nem falar! Babados, ternos em mil cuidados absorvidos. Partilando momentos a e acções como se tudo estivesse preparado mesmo antes de se conhecerem. `

Era o divino equilibrio entre as obrigações e o prazer! Felizes!

Não há razão para outra coisa : Camila e Joana são lindas! Aliás são elas e todos os netos da minha mãe! Um espaaaanto…!

Mas isto são pormenores.

Do que eu quero falar é do Pai das gémeas!

Eu tenho visto muita gente crescer em vários momentos da vida, mas como aquele pai!

Crescer!

Ele cresceu em cuidados, em maneiras, no tom de voz (mais pai, menos rapaz) no sorriso, nas preocupações e nos intervalos dos cigarros! No tamanho do olhar e na forma de andar. Ele cresceu por todo menos na barriga!

Bem! Está ali uma família de futuro, como não seria outra coisa de esperar!

Ele há coisas boas em tempo de crise!!

Deixo aqui dois pretendentes para elas analisarem.

Beijos!

Analogias…

30 de Julho de 2009

Ao longo dos útimos meses gerei ideias, recebi colaboração em casa e dos amigos, seleccionei e desenvolvi coisas. Está na hora de dissiminar!!

As fotos abaixo representam parte do resultado obtido. São variedades de frutos e fruta que produzimos na horta e pomar (micros).

Têm três características fundamentais:

  • São lindos e saborosos
  • São resultado, logo competência
  • São mais valia…

…estar calado!!

  fruta frutos e fruta 004

 

 FRUTA……………….TOMATE …………………….E  TOMATES

 

frutos

 

Todo o caminho percorrido, (não o trajecto da horta até à cozinha que são apenas uns metros),  desde a criação até à colheita foi planeado, trabalhado e controlado. Tal e qual como outro qualquer produto.

A riqueza está na aprendizagem que se faz com a analogia: Gerar ideias, Converter e Difundir.

Para quem se interessa pelas razões porque as coisas acontecem, porque se inova, tem aqui matéria de reflexão e acção.

Seamus Clifford num artigo intitulado “The Seven Habits of Remarkbly Sucessful Innovators”, dizia (tradução minha), que a eficácia só se atinge quando determinados hábitos fazem parte da engenharia das nossas competências.

Sobre esta matéria, lá vai uma dica: Guy Boterf – “L´ingénierie des compétences” – Editions de L`Organization.

De entre esses hábitos convém referir alguns:

  • Jogar tem piada! – Como hábito é só alegria!
  • Ser campeão e empreendedor. Como o Inter!
  • Criatividade (como hábito) é futuro sucesso.
  • A acção leva-nos lá…! Das poucas rotinas a aplaudir!
  • Trabalhar em equipa (colaborar) é sinergia.
  • Quem não arrisca…não petisca!

O que aconteceu e está a acontecer na minha horta, pode acontecer noutro lado com outra matéria, até mesmo na forma como as pessoas se organizam e tomam decisões.

 

POIS É!!  ELES FALAM, FALAM E NÃO DIZEM NADA!!!!!!!!!!!!!!!!

Descendentes!

29 de Julho de 2009

Estava a ler um artigo intitulado “How to reinvent yourself”, e rápidamente me surgiu uma imagem guardada desde 2004. A Família

São alguns… …descendentes da minha avó paterna.

Se reinventar um indivíduo é uma actividade complexa imagine- se um grupo.

Bom! Talvez não seja assim tão difícil. Se começarmos por reflectir porque é que, muitas vezes, não somos criativos (acrescentado mais valia, inventamos), encontramos um obstáculo a que podemos chamar “fixação cognitiva”.

A tendência a perceber as coisas de uma determinada maneira, foi, talvez, a associação mais pronta que eu fui capaz de fazer.

Pertenço a esta família.

E não por ser esta em especial, mas porque as famílias, de uma forma geral ou por definição, tem aspectos em comum que nos ligam ou prendem, até na impossibilidade de reconhecer outras facetas nas coisas.

Há alguns, bastantes ou não, anos atrás, esta fixação não seria tão relevante no crescimento das pessoas.

da-vinci-2

Hoje com a gama e quantidade de informação disponível e com a necessidade de adquirir novas competências que não exclusivamente técnicas, mas também sociais, quanto mais usamos presunções e preconceitos, mais nos habituamos a eles.

E não são só em relação aos outros mas sobretudo em relação a nós próprios.

Não gostamos de ambiguidades e tememos incertezas ou correr riscos (desde que estimados). Estamos orientados fixamente para o já experimentado e esquecemo-nos que estamos inseridos num meio ambiente que muda a cada momento (velocidade não contolável?).

Para combater e resolver esta tendência à fixação tento separar-me em partes e analisar as que posso melhorar.

Como diz Idit Biton : “If you cannot predict the future, invent it”

Num dia de Chuva…

22 de Julho de 2009

 

Quando  neste quintal não chove…

 

…há momentos de verdade e…

 

 

 

 

parelhaHoje chove, sem parar, desde que acordei!

 

 

 

 

 

Hoje não precVietnameiso regar o jardim, o pomar e a horta. Hoje posso cultivar este blog.

Numa escapadinha recente fui visitar uns amigos que, como sempre, tem algo de novo e que me dá que pensar.

O conceito, o significado de estética e a sua representação são fácilmente pessoalizáveis e que ao mesmo tempo identificámos como comum a um grupo vasto de pessoas.

A minha necessidade de pertencer a um  grupo específico de pessoas leva-me a assimilar as suas preferências e a procurar incorporá-las no meu portfólio de objectos de apreciação.

Enquanto que a parelha acima representada se divertia em Fernão Ferro, esperando que a atrelassem a uma charrete para um passeio, a porca vietnamita observa-me curiosa em Paio Pires imaginando-se no meu prato convertida em enchidos ou numa pá assada com arroz de forno.

Qualquer destes animais representa uma visão deslumbrante!pergola 363Não tendo metrs quadrados, como os que são necessários para cuidar daqueles animais, ao longo destes últimos meses fui recolhendo as pedras do meu quintal e tentando criar um espaço com alguma “estética”pergola 079

pergola 078Comecei por definir as direcções possíveis. Imaginei o amanhã e descobri que em cada passo há sempre qualquer coisa de maravilhoso.

Quer em direcção ao céu quer em direcção à terra.

Só é pena que hoje não pare de chover!pergola 086

Como dizia Leonarda Da Vinci : “Não passes a outro pormenor sem antes te demorares tempo suficiente com aquele que estás a observar”.

Este foi o ponto de partida:

Braga 2007pergola Este é um ponto de chegada!

Com criatividade, estética e muito trabalho. É lindo. Fomos nós, sózinhos, que fizemos!!